<
Menu

Tableless



Imagem post: Agora é a vez dos desenvolvedores

Agora é a vez dos desenvolvedores

A revolução pode começar sem você.

O desenvolvimento web depende de três personagens principais: W3C, que regulamenta, cria e sanciona padrões para a web. Os browsers, que importam essas regras e padrões de forma que a web seja mais homogênea e também podem criar padrões. E por fim os desenvolvedores, que aplicam os padrões em projetos, produzindo e criando na web.

Cada um destes personagens tem papéis importantes para que a web continue evoluindo com força, traçando novos caminhos, cobrindo as necessidades atuais dos usuários e prevendo necessidades e soluções futuras. Existe um ciclo que envolve estes três personagens para que tudo ande bem.

O W3C

O W3C cuida dos padrões. Ele tem ideias, ele prevê problemas e tenta solucioná-los. Ele incorpora boas ideias dos desenvolvedores e principalmente dos browsers. O W3C não aplica, ele apenas planeja. É um trabalho difícil por que é necessário uma visão muito apurada da web. Uma decisão errada pode acarretar problemas que levarão anos para serem solucionados. Por isso esse trabalho de planejamento deve ser meticuloso. Devo confessar que em muitos casos o W3C não supera as expectativas e faz com que iniciativas paralelas surjam e direcionem a Web para um caminha mais correto. Foi o que aconteceu com o HTML 5.

Os browsers

Os browsers, por sua vez, precisam entender e adotar as idéias do W3C, absorvendo as soluções e criando suporte nos seus softwares. Esse trabalho também tem seus perigos. Os browsers precisam pesquisar quais das necessidades dos desenvolvedores é mais importante e assim implementá-las. Não pode ser algo feito ao acaso. Os browsers precisam ouvir os desenvolvedores para implementar soluções que realmente ajudem na produção diária. Obviamente alguns decidem suportar aquelas soluções que darão mais pontos estratégicos contra o concorrente. Por que você acha que o Safari tem um bom suporte aos padrões desde o primeiro iPhone?

Os desenvolvedores

Finalizando o ciclo, os desenvolvedores aplicam tudo o W3C define, mas apenas aquilo que os browsers “querem” ou podem suportar. E isso, claro, faz com que o desenvolvedor tenha problemas na produção. Principalmente de compatibilidade. Nesse ponto, hoje está tudo muito mais tranquilo. Mas quem nunca quis usar uma determinada API do Javascript ou uma propriedade do CSS que estava disponível apenas em um navegador?

Durante muito tempo, esse ciclo não era afinado. Havia uma certa confusão e um jogo de interesses próprios envolvendo principalmente os browsers. O W3C estava apenas pensando em como resolver problemas que talvez existiriam daqui longos anos. Os browsers estavam apenas interessados em criar uma massa de usuários suficiente para ser o primeiro no ranking. Os desenvolvedores, por sua vez, queriam ganhar seu dinheirinho, fazer o trabalho, entregar pro cliente e acabar com o problema.
Ninguém deu atenção quando começamos a desenvolver com tabelas, fazendo com que os sites ficassem mais pesados, aumentando o tempo de desenvolvimento e o custo do projeto.

Este ciclo defeituoso foi praticado durante muito tempo. Por incrível que pareça, foram os Desenvolvedores que começaram a fazer o ciclo funcionar como deveria. Eles acordaram os fabricantes de browsers e também o W3C. A revolução começou nas trincheiras.

Por causa dessa revolução silenciosa dos desenvolvedores, o W3C passou a pensar mais em problemas presentes. Solucionou problemas iminentes e que entregavam valor para os projetos.

Os desenvolvedores fizeram duas revoluções: uma que foi liderada pelo pessoal da WaSP e outra quando um grupo começou o desenvolvimento do HTML 5, sem depender do W3C para planejar.

Os browsers suportaram o mais rápido possível essas mudanças, atualizando seus engines, e fortalecendo as bases para novas soluções e flexibilizações posteriores.

Já os desenvolvedores estagnaram. Desculpe-me, serei um pouco revoltado daqui para frente. Os desenvolvedores dormiram. Quando o W3C e os browsers apresentaram soluções para problemas como transparência, bordas arredondadas, backgrounds inteligentes, utilização de fonte remotas, apis de javascript decentes, novas tags e etc, os desenvolvedores resolveram que não era a hora dessas soluções por causa de coisas como o IE6. Na verdade estou sendo meio injusto aqui. Não foram todos os desenvolvedores que criaram caso com isso, foram somente os idiotas.

Logo os idiotas, que reclamavam tanto da falta de recursos mais inteligentes para trabalhar. Que precisávamos de idéias realmente inovadoras que transformassem os projetos e facilitassem o desenvolvimento. Protestaram, escreveram manifestos, postaram em blogs, revoltados com a falta de visão do W3C e com a pobreza do suporte dos browsers. Mas quando chegou a hora, deram para trás. Amarelaram. Pediram arrego.

Infelizmente, via-se muito mais disso aqui no Brasil do que no resto do mundo. Ouvi muitas desculpas como: – “Mas meu cliente usa IE6.” ou “Mas isso não funciona em IE6.”
Entenda uma coisa: você é desenvolvedor web. Você trata com seu cliente todos os dias. Você tem o poder de educar e convencer. Se você acha que não tem poder nenhum, por que ainda trabalha com web?

Talvez isso seja trauma do passado. Talvez não. O fato é que não podemos mais nivelar por baixo. Isso é atrasar uma “evolução” inteira.

Temos falado incansavelmente aqui no Tableless sobre Graceful Degradation, Enhanced Progressive, HTML 5, as maravilhas do CSS 3 e etc, pois esse é o assunto que rola lá fora. Há desenvolvedores e empresas, que acham que devemos ter uma autorização especial dos gringos para utilizarmos novas tecnologias e principalmente para deixar os browsers antigos no passado.

Esse assunto me faz pensar em outra pergunta: Estamos (você está?) preparados para o ritmo alucinante que será ditado daqui pra frente?
Até a Microsoft está cumprindo com a palavra de ter um browser atualizado. Eles anunciam uma versão após a outra do Internet Explorer com mais inovações, suporte aos padrões e novidades… Mas ainda há os bobalhões que preferem falar mal do Internet Explorer do que abrir os olhos e seguir em frente.

O mercado de client-side se transformará rapidamente nos próximos anos. Muitas mudanças no HTML e no CSS serão publicadas com o intuito de tornar a web mais homogênea, flexível, portável. O HTML 5 não é só uma coleção de novas tags e APIs. O CSS 3 não ganhou só bordas arredondadas. E nem só de iPhone vive o homem. Existem milhares de Nokias, Windows Phones e Androids por aí.

Os desenvolvedores precisam acordar.

Artigo originalmente publicado em Nov/2009 na revista TI Digital.

Por Diego Eis

Diego Eis criou o Tableless para disseminar os padrões web no Brasil. Como consultor já treinou equipes de empresas como Nokia, Globo.com, Yahoo! e iG. É palestrante e empreendedor.

http://about.me/diegoeis/

Mais posts do autor

Comentários (33)

  • Nailton

    Boa @diegoeis:disqus seus artigos (e os demais) são fontes de inspiração para novos desenvolvedores… 
    e os “antigos”.

  • http://www.neosolutions.info/ Lucas Freitas

    Diego,

    Costumo não comentar em blogs, mas esse teu artigo tá sensacional. É a mais pura verdade. Trabalhei em uma agência que construia sites lindos, mas ficava se prendendo à browsers toscos (aka IE7/8). Os devs pediram e foram atendidos, hoje dá pra fazer mágica com JS+CSS3 e o pessoal fica fazendo fiasco por cross-browser. Super concordo com tudo colocado no texto.

    Muito bom artigo, parabéns.

  • Marcelo Matzembacher

    A atualização não pode ser feita apenas no Navegador e na W3C, é preciso que os desenvolvedores estejam atualizados também.

  • http://twitter.com/EulerDesigner EulerDesigner

    Assunto complicado, eu sempre imaginei que se parasse de desenvolver “gambiarras” para os sites rodarem em navegadores inferiores, automaticamente os clientes e os próprios navegadores tomariam (obrigados ou não) a atitude de evoluir, porem os desenvolvedores meio que ficou no fogo cruzado entre navegadores e até o próprio W3C sem falar que ficamos na posição de refém dos nossos clientes, tendo que fazer loucuras para que a coisa caminhe como se deve caminhar em navegadores inferiores só porque os usuários acham bonitinho esse ou aquele navegador, acredito que para forçar uma evolução positiva e facilitar a vida do desenvolvedor com novas tecnologias que vem para nos auxiliar precisaria de uma união maior entre desenvolvedores como uma organização onde delegasse diretrizes a fim de dar mais força aos desenvolvedores esses que para mim são os verdadeiros usuários desse rio de novas tecnologias que vem por ai. Temos força (desenvolvedores) e poder porem não temos união.

  • Flavio Henrique

    Eu concordo com você Diego, tenho alguns amigos achando que isso é coisa de outro mundo e não dão a minima para as novas tecnologias, livros, cursos, conhecimento estão disponíveis de forma absurda na internet para que? Acho que o time de desenvolvimento esta preguiçoso de mais. 
    Conheço vários desenvolvedores Bicho preguiça “Acham que são desenvolvedores” rsrs.

  • Renato Aguiar

    Por isto eu adorava o Steve Jobs, que sempre não teve medo de (dizer não) ao ultrapassado e logo implementava o novo.

    Muitos desenvolvedores e usuários são preguiçosos, um não desenvolve porque acha que o cliente usa o IE7/8 (não vou nem falar do 6 que já é de mais) o cliente não atualiza para o 9 ou troca por outro porque acha que não precisa – “este esta bom assim”. E fica nisto.

    O desenvolvedor é preguiçoso e medroso. HTML5 pode ser reconhecido com o Modernirz e o CSS3 com o PIE, o IE9 não tem gradiente (ridícula falha e desleixo da microso$ft) pode ser contornado com SVG gerado pelo Colorzila. E o camarada não quer se dar o trabalho de fazer melhor porque prefere ficar encostado e acomodado. Se ele não quer usar o PIE para cantos arredondados, por exemple. Deixe que apareça RETO no IE7/8 assim o usuário ao abrir no 9 ou no Chrome vai ver que o IE7/8 já era, e que é momento de atualizar, até pesa segurança deste.

    Deveria se dar ao menos o trabalho de educar o cliente e amigos. Afinal Navegadores são gratuitos e tem vários excelentes e bem melhores que o IE como o: Safari, Chrome, Firefos, Opera…

    Chegou a hora do desenvolvedor arregaças as mangas e fazer o que tem que ser feito, esta mais do que na hora. A final este é o seu GANHA-PÃO!!!

  • Trambulhao

    Concordo contigo! Mas a Microsoft ainda tem muita culpa nisso tudo. Essa política de criar um browser específico para cada sistema é sacanagem. Se quiser o IE9 terá de ter o Vista ou o Seven, para o IE10 somente o Windows 8. Assim fica difícil..

  • http://www.eduardodesign.com/ Eduardo Matos

    Isso porque o Diego escreveu isso em 2009! Vamos acordar dev’s!!!!

  • http://www.facebook.com/olucaslacerda Lucas Barbosa Lacerda

    Falou tudo Diego, vamos acordar galera! =)

  • Rafael Barreto

    Concordo!

  • David Henrique da Cunha Pereir

    Devo dizer que eu também sou culpado nisso, nessa preocupação de retrocompatibilidade. Mas depois da 9874035345ª dor de cabeça pra tentar fazer algo bonito funcionar no IE6, eu falei “Ah foda-se. Chefe, cansei” e passei a usar CSS3.

    Como o Renato Aguiar muito bem disse há correções como o fantástico PIE e o conceito de Graceful Degradation, e uma hora o cliente vai se tocar e passar a usar um browser melhor. “Água mole em pedra dura”, né? Tem que começar a pensar no seu público. IE6 tá morrendo, só usado por velhinhas que não usam Windows Update e empresas ignorantes com políticas ultrapassadas. Temos que botar o maldito prego final nesse caixão.

  • Renato Aguiar

    Para o IE6 já não dou suporte a uns 3 anos, já informo o cliente… sem condições. E para o IE7 e 8 estou deixando com canto RETO quando é o caso de fazer bordas arredondadas e SEM sombra para determinado sites. Com o PIE já é possível sanar isto e deixar com borda arredonda, sombra e gradiente, apesar que ainda estou refletindo se vou adotar o PIE para bordas arredondadas e sombras, pois estou achando que seria legal o usuário ver que no IE7/8 fica com um visual diferente do 9, Chrome, Safari, Firefox, Opera. Talvez eu use o PIE apenas para o Gradient ou ainda posso deixar com cor chapada. – Estou pensando ainda sobre isto.

  • http://twitter.com/igorescobar Igor Escobar

    “Let’s keep the past, in the past.”

  • Victor Bastos

    Concordo totalmente. Há alguns meses tomei uma atitude muito mais drástica: abandonei o IE de vez!
    Os sites que desenvolvo são totalmente compatíveis com os padrões de desenvolvimento sendo assim informo aos meus clientes que somente browsers que sejam compatíveis com os mesmos padrões devem ser utilizados. Explico sobre a perda de performance em se dar suporte para browsers não-compatíveis etc. Estou tendo mais sucesso agindo assim!

  • Renato Aguiar

    Se todos agissem como você, não existiria mais problemas. Muito bom, gostei de sua atitude exemplar.

  • Estenio Ribeiro Nobrega

    Todos queremos evolução na programação isto é certo. Agora o fato é, que a coisa é mais difícil do que o diego cita ai. Bom, primeira coisa é:
    - Você é um programador que lhe da com o cliente?
    R: Se sim essas suas afirmações são corretas, agora se não é(como no meu caso) ja não concordo mesmo por que, eu por exemplo faço site para empresa que ainda não atualizam o software por motivos internos. O poder de convencer o cliente a usar um browser mais novo não é meu, a única coisa que eu faço é sempre mostrar as vantagens de se programar para browsers compatíveis.

    - Algumas coisas ainda atrapalham no desenvolvimento?
    R Sim, a falta de padronização de algumas coisas maravilhosas como o webkit, faz com que o programador só programe deste modo quando realmente um cliente não liga para outros tipos de usuários. Nesse caso é cada um usando a ferramenta que julga ser mais adequada.

    - Dormindo ou impossibilitado devido a outros fatores?
    R Em alguns casos realmente, os programadores estão dormindo, vivendo de gambiarras malignas, como as muitas que ja vi por ai em contrapartida muitos outros não estão, pois mesmo com algumas adversidades ainda conseguem evoluir, eu mesmo tomei a iniciativa de fazer o novo site da empresa onde trabalho em html5 e css3 aprendi bastante coisa neste meio tempo e ainda estou aprendendo.

    Resumo, é uma boa matéria, mas tem alguns poréns onde acho que só quem vive a situação de onde trabalha é que pode dizer da sua evolução ou da evolução da empresa, pois enquanto muitos programdores dependerem de aprovação de pessoas com cargo mais elevado que o seu essas situações corriqueiras continuarão acontecendo.

  • Estenio Ribeiro Nobrega

     isso pq vc lhe da com os clientes, queria ver vc dizer isso pro seu chefe quando ele lhe da com os clientes

  • http://twitter.com/expalmer Palmer Oliveira

    Minha pergunta é? De que maneira elegante eu poderia informar os users do meu site usarem chrome, FF, Opera e tal….??? Pois são muitos!!! IXi

  • Pingback: Vale a pena migrar para o HTML5?

  • Diogo Souza Machado

    Acredito nesse tipo de educação também, hoje, a cultura dos browser cresceu muito, até meus pais já sabem o que é Chrome, Firefox, isso torna o desenvolvimento mais fácil. Muito bom sua revolta. Parabéns!

  • Deivid Marques

    Concordo 100% com o Diego, infelizmente ha alguns lugares que os desenvolvedores terão problemas em implantar essa mudança que são necessárias, acho um absurdo validar site em ie (salvo raras exceçoes). Nós desenvolvedores somos os grandes responsaveis por essa revolução que já começou então voce quer ficar pra tras? A hora é agora galera!!

  • Guilherme Ventura

    Acre

  • Eric Vieira

    Matei o IE 6 e o IE7. Agora, depois de ler isso, estou mais tranquilo ainda, e consciente de que fiz a coisa certa. Diego, suas palavras me emocionaram, sem demagogia. Muito obrigado.

  • Raimundo

    Com esse vocabulario voce precisa muito mais do que “lhedar” com seu chefe….

  • Ricardo

    Eu tenho vergonha de dizer isso mas minha chefe vai reformular o site pensando no IE6 e vai usar FLASH.

    Sério, eu gostaria de estar trollando…

  • Jairo Santos

    Se seu chefe não te escuta, ele nem deveria ser chefe.

  • Jairo Santos

    Se for verdade, Troll mesmo é sua chefe.

  • http://www.sandrosilva.com.br Sandro Silva

    A teoria é muito linda e bonita, mas na prática ainda é feia. Quando se diz: “Você é desenvolvedor. Você trata com seu cliente todos os dias.”  talvez isso sirva para freelance ou para quem pode facilmente moldar um cliente PEQUENO. Trabalhe com clientes realmente grandes onde ainda a equipe de TI toda está com preguiça ou com falta de orçamento para atualizar as licenças do Windows XP de centenas de computadores.

    Problemas de orçamento e tempo ainda limitam a dita REVOLUÇÃO.
    Creio que o sério e correto é chamar de EVOLUÇÃO e será natural que caiam por terra e usuários, browsers antigos.Todo desenvolvedor que preste sabe o que é certo, sabe qual a melhor tecnologia e sabe que tem que atender ao que o CLIENTE quer, o que o CHEFE quer, porque é daí que ganhamos nossa grana.
    Assim se você fazer um site em Parallax usando CSS3 e HTML5 na veia e seu cliente ver que as vendas e os acessos deles desabaram no ACRE e no AMAPÁ, qual será a sua solução?

  • http://www.facebook.com/ricardo.cdcjti Ricardo Peres

    Falou tudo!

    Apóio 100% do que vc diz.

    Parabéns pelo artigo.

  • Jefferson Mariano

    Uau! Gostei mto do post! 

  • Pingback: Seu lugar ao sol | Leonardo Cotta

  • ClovisNeto

    Boa!!

  • William Costa

    Concordo! E vivo isso atualmente, todo o site que desenvolve pelo meu trabalho tenho que adaptar para o IE8. Infelizmente! Eu tenho o pensamento que IE8 e até posso estar um pouco precipitado mais até as versões mais antigas de browsers já era, deveriamos pensar só no atual e não se prender a browsers antigos.