Tableless

Busca Menu

Browsers – Guerra Fria

Seja o primeiro a comentar por

Quando o Netscape e o Internet Explorer faziam a Guerra dos Browsers o principal objetivo era conquistar usuários. As formas que os dois utilizavam para adquirir adeptos eram prejudiciais para o desenvolvimento web. Basicamente o que os browsers faziam era criar códigos proprietários. Isso gerava um retrabalho terrível para os desenvolvedores. Se você tivesse 10 sites para gerenciar, na verdade seriam 20, por conta de ter a necessidade de haver uma versão para Netscape e outra para Internet Explorer. Isso gerava trabalho em dobro. Se houvesse alguma modificação no layout, texto ou programação, o desenvolvedor teria que atualizar as duas versões dos sites.
Era normal que o visitante ao entrar nos sites via dois logos: um do Netscape e outro logo do Internet Explorer e a seguinte frase: “Qual browser você utiliza?” Então o usuário escolhia qual browser ele utilizava e clicava no link que o levava para um site desenvolvido especialmente para aquele browser.
A idéia era simples: se a grande maioria dos usuários utilizassem o Netscape, por exemplo, os desenvolvedores seriam obrigados a desenvolver em primeiro lugar para o Netscape e deixar o Internet Explorer em segundo plano.

O problema é que essa guerra estava ficando insuportável para os desenvolvedores. Desenvolver para web estava ficando muito caro. Ter um site simples publicado custava caro e o desenvolvimento era demorado e confuso.

Felizmente essa guerra acabou. Hoje os fabricantes de browsers estão com outro pensamento. A guerra de hoje é mais silenciosa e agrega muito mais valor ao desenvolvimento web. Os métodos para conquistar usuários é direcionada em serviços. Sim, ainda é mais difícil conseguir os usuários mais leigos, mas essa massa está se renovando e novos usuários de internet já sabem qual browser escolher e os motivos para escolhê-lo.

Internet Explorer 8, Safari 3.1 e Firefox 3 estão se esforçando para alcançar o nível máximo de suporte aos Padrões. Isso conquista o desenvolvedor que por sua vez vai evangelizar o usuário leigo a utilizar o browser mais interessante e útil para as necessidades dele.

Agora, o objetivo mais difícil ainda precisa ser cumprido: convencer os desenvolvedores a utilizar os Padrões Web. Com certeza este é o caminho mais complicado. Pelo menos, se não for por bem, vai por livre e espontânea pressão. A seleção natural infalível do mercado cuidará desses.

Publicado no dia