Tableless

Busca Menu

Experiência deve ter começo, meio e fim

Seja o primeiro a comentar por

Esse artigo pode parecer meio confuso, mas é apenas um pensamento que estive matutando. Não ligue se a ordem das ideias estiverem tortas e sinuosas. 😉

Tive uma experiência muito ruim no primeiro dia de 2010: pulei na piscina com meu iPhone no bolso.
Ok, pode me xingar agora.

Depois da tragédia, ele durou rápidos 5 segundos, e faleceu. Não ligava, não apitava, não fazia nada. “Paciência”, falei para mim mesmo. No dia seguinte peguei um celular reserva que eu tinha guardado: um HTC Touch, com Windows Mobile 6 (não Windows Phone). Foi então que eu notei o porque o trabalho da Apple vicia os consumidores.

Estamos bem acostumados a utilizar um notebook ou um computador desktop, com monitor, teclado e mouse. A interface do sistema muitas vezes parece desaparecer quando se abre o navegador. A experiência de uso dos periféricos já é bastante conhecida e isso facilita muito a forma com que o usuário interaje com a interface. Há uma harmonia, se é que você me entende. A mesma coisa é dificil de acontecer quando utilizamos um dispositivo mobile. Em um dispositivo móvel você precisa de foco. Não há espaço para milhares de botões com dezenas de ações. É SIM e NÃO. É OK ou CANCELAR e mais nada. O que não é o caso do Windows Mobile. O Windows Mobile foi feito daquele jeito Microsoft. Muito, mas muito diferente do Windows Phone que está um primor. Com uma interface totalmente repensada, do zero, onde seu visual se integra com os outros sistemas da marca. Há uma homogeneidade na experiência do usuário quando ele usa a Live do XBOX, o Windows Phone e o Windows 8. A experiência é cross-platform. A Apple faz isso durante anos. E durante todos estes anos esse foi seu segredo. O famoso “eco sistema Apple”. Tudo funciona muito bem quando estamos com nossos iPhones, iPads, MacBooks e iPods. Se eu tenho um iPad, mas utilizo um PC, algo fica estranho. Funciona, mas fica estranho.

Assim como sistema dos mobiles, os sites precisam seguir a mesma fórmula de simplicidade e foco. Por isso, criar sites para mobiles é uma arte. É um jogo de prioridades. Você precisa saber o que é importante na página e focar naquilo. Há um bom trabalho de arquitetura de informação que precisa ser feito. E não se engane, as vezes é muito mais dificil desenvolver um projeto de arquitetura para mobiles do que para versões full.

O iPhone, e agora o Windows Phone, se destacam muito por conta dessa harmonia que citei acima. Há uma ligação em tudo ali. Quando você aciona o Safari, ele tem uma interface intuitiva, bem acabada e que não agride a usabilidade do site. O iPhone tem um browser 100% atualizado com os Padrões Web e isso ajuda um bocado o desenvolvimento de interfaces inteligentes.
E a Apple se preocupa com essa harmonia da qual estamos falando, ela prepara uma série de materiais que ajudam os desenvolvedores. São guias de desenvolvimento e referência com os princípios de design e usabilidade que garantem a experiência completa. Por causa disso os desenvolvedores e designers fazem ótimos apps, tornando a experiência do usuário completa e uniforme durante o uso do dispositivo.

É por isso que a vale a pena municiar os desenvolvedores e designers do mundo todo, para que a experiência não termine quando o consumidor feche o seu aplicativo ou abra o navegador. Experiência tem começo, meio e fim. A Apple se preocupa com essas etapas. Ela sabe que se o site abrir “quebrado” o consumidor vai xingar primeiro o aparelho e não site. Tudo é uma única experiência. Começa no sistema do aparelho e termina no site de um terceiro.

O resto dos aparelhos começam pecando por ter um browser ruim ou uma interface de uso complicada. Na maioria os browsers não dão suporte algum aos Padrões. Isso é um pecado. Se eu tenho um Smartphone, eu passarei mais tempo na internet, conectado, do que falando ao telefone. Esse é apenas um ponto sobre o porque um dispositivo móvel precisa ter um browser decente.

O usuário tem uma boa experiência quando consegue com sucesso a informação que procurava, sem bloqueios. Se ele consegue passar esse processo com sucesso, como se o dispositivo (mobile, desktop, notebook, leitor e tela etc) e o site/sistema fossem transparentes, aí cumprimos com o nosso dever.

Publicado no dia