Tableless

Busca Menu

Keygen: Certificando suas paginas com HTML

Seja o primeiro a comentar por

Com a convergência tudo está indo para a web. Tudo. Por enquanto a grande maioria das apps e paginas estão abertas, mas a medida que o tempo passa, a web também evolui. Em um ambiente completamente social, aonde a relevância do conteúdo não está mais nas mãos de quem anuncia, mas sim na dos leitores, conteúdo cada vez mais segmentado vai surgir. E inevitavelmente, cada vez mais precisaremos de certificados.

O que são e como funcionam os certificados?

Em criptografia, um certificado de chave pública (também conhecido como um certificado digital ou certificado de identidade – aka SSL) é um documento eletrônico que usa uma assinatura digital para vincular uma chave pública com informações sobre a identidade do remetente – que pode ter informações como o nome de uma pessoa ou um organização, seu endereço e assim por diante. O certificado pode ser usado para verificar se uma chave pública pertence a um indivíduo. Vamos cada vez mais agregando valor ao conteúdo na web através de rating, comentários, presença online, etc. Mas ainda sim a web oferece brechas no sistema, permitindo que pessoas possam emitir valores e opiniões sem a devida validação. Essas brechas vao diminuindo a medida que os certificados vão sendo usados, e em uma web puramente social, é difícil se imaginar sem um destes certificados, e acho que no futuro próximo, isso será realidade mandatória para todos.

O uso mais comum dos certificados é de web sites baseados em HTTPS. Browsers validam certificados SSL de servidores web, para que o usuário pode se sentir seguro de que sua interação com o site não tem espiões e que o site é quem afirma ser. Na prática, um usuário obtém uma chave criptografada gerada pelo website, que validada com um fornecedor certificado (uma loja de certificado$) confirma a procedência do certificado. Durante a navegação, este certificado público é enviado a qualquer browser que se conecte ao site, mostrando para o usuário que o endereço é validado – e seguro.

Esta imagem é uma representacao grafica do ultimo paragrafo, mostrando a interacao que o usuario tem com servidor atraves de SSL

Intercação de usuário com website seguro atraves de certificados SSL

Quem faz esta validação é chamado de entidade certificadora, e poderíamos mencionar a Certisign, Verisign e Serasa além de Federações e Sindicatos, como a FENACON e a PRODEMGE. No Brasil por exemplo, manter uma chave publica pessoal para atestar sua identidade (e-CPF) custa em média R$130,00.

Single sign-on X Certificados

É notório que o custo dos certificados são suas maiores barreiras. É visível o custo de manutenção de estruturas para manter servidores apenas para validar certificados – e não são poucos. Mas mesmo assim, algo tão importante deveria ser mantido em regime de economia de escala – e ser oferecido de maneira mais acessível a população.

Enquanto isso, vamos oferecendo soluções para os clientes que envolvem na maioria das vezes, single-sign-on (SSO). O conceito vem sendo pregado pelo Open Group a muito tempo, e dele surgiu o OpenID.

O funcionamento de um OpenID é simples, ele simplesmente valida a existência de um usuário baseado em serviços ja consolidados de login, que oferecem uma API bem documentada e incentivam o seu uso. Google, Facebook e outras empresas oferecem estes servicos. “Cascatear” a validação, oferecendo a segurança de uma entidade como as mencionadas é algo que fortalece muito a segurança da sua aplicação e a confiança do usuário. Se você não existe em uma rede social (eis que chegamos na reificação do usuário através de sua existencia digital), não tem como logar, validar, navegar… enfim, nada.

Mas ainda sim este método apresenta falhas. Alguém que tenha posse de seu user e senha pode facilmente se passar por você. Isso o single sign-on não pode evitar, mas certificados resolvem este problema. Mas também não são perfeitos. É importante conhecer os dois métodos pois dependendo do nível de segurança que você precisa oferecer a aplicação, qualquer uma das opções serão válidas. Quer apenas ter certeza que o usuário existe antes de postar um comentário em seu site? Ok, dá pra usar um single sign-on sem problemas. Precisa mostrar que seu site é realmente seguro para garantir transações financeiras e honrar o cadeadinho na tray do navegador? Certificados são o que você deverá usar.

Como requerer um certificado pelo método usual?

Um certificado custa dinheiro. E não é barato. Talvez por isso eles ainda nao sejam amplamente utilizados. Bancos por exemplo costumam pagar para seus clientes seus certificados como ferramentas de fidelização. Certificados são temporais e muitas pessoas quando necessitam, compram por um ano ou tres o serviço. Existem leis em tramite no congresso em relação ao RIC, o registro de identidade civil, com vinculações ao e-cpf, o que virtualmente obriga todos a possuírem certificados digitais atrelados ao CPF no longo prazo.

Como montar um certificado apenas com… HTML?

Mas até ai nada novo. Na real, nada do que esta neste post é novo, apenas obscuro. Desde a época do saudoso Netspace Navigator existe uma tag pouco utilizada, e da mesma maneira pouco conhecida – <keygen> .

  <a href="http://tableless.com.br/wp-content/uploads/2011/04/IC341506.gif"><img src="http://tableless.com.br/wp-content/uploads/2011/04/IC341506.gif" alt="" width="561" height="200" class="alignleft size-full wp-image-3481" /></a>

Quando a internet ainda engatinhava, a Netscape criou um meio dela mesma poder emitir – e validar – certificados, usando HTTP e HTML. Essa tag é suportada pela maioria dos browsers (exceção a Apple – Safari e iOS), porém nunca foi oficialmente colocada no pacote das especificações HTML. Vinha sendo usada de maneira tímida, mas voltou aos spots com o HTML5. Ou seja, embora muitas documentações mencionem ela como elemento HTML5 (inclusive a do Mozilla Developer Network), é quase mais velha que a especificação HTML4.

Como funciona?

A sintaxe é simples e suporta atributos globais como o autofocus.


Challenge
Uma seqüência de desafio que é apresentado juntamente com a chave pública. O padrão é uma string vazia se não for especificada.

Disabled
Atributo booleano que indica que o controle de formulário não está disponível para interação.

Form
Todo keygen para funcionar depende de um form que processa a informação. Com isso, podemos dizer que por enquanto, adeus Ajax para fazer uso de keygen sem submeter formulários. Foi da tentativa de conseguir isso que resolvi criar este post. O elemento de form precisa existir associado ao <keygen&gt.

keyType
O tipo de chave gerada. O valor padrão é o RSA.
Nome
O nome do campo

Name e Challenge são attributos obrigatórios. Keytype especifica o tipo de chave (RSA-DSA e EC). Caso use chaves DSA ou EC você precisa especificar keyparams. Para declará-los da seguinte maneira: keyparams=”pqg-params” ou pqg=”pqg-params”.

O modo como o keygen é apresentado varia de navegador a navegador, desde os tempos de Netscape (a Microsoft acreditem – criou um suporte sensacional – porém atrelado a registro de DLL’s, te obrigando a ter um IIS, e por consequencia uma licença de Windows). A interface do usuário para pode ser um menu, botões de rádio, ou até abordagens que ainda não conhecemos. As opções de encriptação apresentam níveis, médio e alto. Se o navegador do usuário estiver configurado para suportar
hardware criptográfico (por exemplo, “smart cards”), o usuário também poderá escolher aonde salvar seu certificado, em um cartão inteligente ou em um software(browser) e armazenado no disco.

E o código?

Username: email: departamento: Chave:

Para ver o em ação, clique aqui: http://koolbanana.com.br/usehtml/keygen.html

E pra quem achava que keygen era coisa de pirata…

Gostaria de agradecer o Gabriel Pereira Borges por ter ajudado (e inspirado) este post. A dor de cabeça valeu a pena!

Referências

  • Certificados SSL: http://en.wikipedia.org/wiki/Ssl_certificate
    http://www.networksolutions.com/SSL-certificates/how-ssl-works.jsp
  • e-cpf: http://www.certisign.com.br/produtos-e-servicos/certificados-digitais/e-cpf
    http://www.receita.fazenda.gov.br/atendvirtual/solicemrenrevcd.htm
  • Open Group: http://www.opengroup.org/
  • SSO: http://www.opengroup.org/security/sso/
    http://code.google.com/googleapps/marketplace/sso.html
  • SAML: http://code.google.com/googleapps/domain/sso/saml_reference_implementation.html
  • OpenID: http://openid.net/get-an-openid/
    http://openid.net/get-an-openid/what-is-openid/
  • Reificação: http://pt.wikipedia.org/wiki/Reifica%C3%A7%C3%A3o_(marxismo)
  • RIC: http://portal.mj.gov.br/ric
  • Keygen: https://developer.mozilla.org/En/HTML/Element/keygen
    Obscure tags: http://obscuretags.com/showcode.php?id=19
    http://dev.w3.org/html5/markup/keygen.html
    http://msdn.microsoft.com/en-us/library/cc249768(v=prot.13).aspx
  • documentacao de 1998(!!!): http://devedge-temp.mozilla.org/library/manuals/1998/htmlguide/tags10.html#1615503
  • Gerando chaves com Keygen em IIS: http://forums.hostsearch.com/archive/index.php?t-2094.html
  • IIS suporte a keygen: http://certs.ipsca.com/Support/CSRMicrosoft-Internet-Information-Server-4.0.asp
Publicado no dia