Tableless

Busca Menu

Vulnerabilidades em Sistemas Web

Seja o primeiro a comentar por

O que são vulnerabilidades em sistemas web?

Vulnerabilidades em sistemas web são uma realidade cada vez mais crescente na internet. Primeiro deixem-me explicar rapidamente como funciona a comunicação entre o browser e o servidor web. Sistemas web funcionam com uma dupla muito conhecida neste ramo: requisição e resposta.

A requisição se origina do lado do usuário (pelo Chrome, IE, Firefox, Safari, cURL, etc) composta de elementos como header, URL, método, parâmetros, cookies, etc. Ela é enviada para um servidor web que responde pelo domínio (o ‘www.algumacoisa.com.br’) da requisição. Por sua vez, o servidor processa a requisição e retorna para o usuário a resposta (42?), também composta de partes conhecidas como header, body, code, cookies, etc.

As vulnerabilidades web nascem quando determinadas partes oriundas da requisição, são processadas sem o devido tratamento pelo servidor. Essas partes podem ser cookies mal configurados, o ID de uma sessão exposta no navegador e até mesmo os parâmetros passados pela URL ou num formulário de login, por exemplo. Essas informações, quando não são tratadas no servidor se caracteriza como uma falha de segurança, deixando assim o próprio servidor suscetível à ataques específicos através da exploração dessas falhas.

Como sei se minha URL, ou melhor, se meu site está vulnerável através de minha URL?

Entre as várias formas existentes para explorar vulnerabilidades web, a Nº 01 do Top 10 da OWASP (Open Web Application Security Project) é a A1 – Injection, injeção direta de código malicioso através de parâmetros enviados pela requisição, ou seja, pelo usuário. A OWASP é uma organização que visa orientar desenvolvedores, analistas, arquitetos e empresas quanto aos riscos das vulnerabilidades em sistemas web.

Existe um teste bem simples para saber se  existem vulnerabilidades em sua URL: forçando um erro. Tomemos como exemplo um ambiente web, com um banco de dado MySQL, a aplicação em PHP e a URL no padrão:

http://www.meudominio.com.br/produtos.php?id=15

A extensão da URL não importa muito nesse momento, o problema está nos parâmetros, e estou supondo um banco de dados MySQL apenas para exemplificar o erro.

Digamos então que, no lado do servidor, naquele arquivo produtos.php que fica na raiz do site, existe uma linha de código que recebe via GET o parâmetro ‘id’ e nosso amiguinho que o desenvolveu implementou a regra de busca de produto no banco de dados com a seguinte consulta SQL:

$id = $_GET['id'];
$sql = "SELECT * FROM produtos WHERE produtos.id = {$id}";

Até aí tudo bem, o código funciona, isso se o valor passado no parâmetro ‘id’ da URL sempre for um número. Entendeu? E se eu substituir o valor do parâmetro ‘id’ na URL por uma letra, ou até mesmo acrescentar um simples apóstrofo após o número 15 e o servidor retornar algo do tipo:

You have an error in your SQL syntax; check the manual that corresponds to your MySQL server version for the right syntax to use near “15” LIMIT 1′ at line 1

Não quero assustar ninguém, mas alguém com conhecimentos avançados em consultas SQL pode explorar essa falha de segurança e como resultado obter acesso a todo o banco de dados da aplicação, podendo assim baixar dados sigilosos, como número de cartões de crédito, ou obter acesso ao sistema como um usuário autenticado, quebrando a encriptação de senhas através de força bruta, isso se a senha estiver encriptada. Tudo isso através de sua URL.

Essa técnica é chamada de Injeção de SQL (SQL Injection), quando o atacante tenta alterar o código SQL para conseguir acesso à essas informações, direto do banco de dados e segundo a OWASP é considerada uma das vulnerabilidades em sistemas web mais comuns.

Como faço para me proteger?

Lembra daquela parte do código que recebeu o parâmetro ‘id’ da URL? Pois então, uma solução bem prática seria fazer o parse (forçar o valor) para o tipo inteiro, que no PHP poderia ficar assim:

$id = (int) $_GET['id'];

Dessa forma, qualquer valor que não fosse um número inteiro seria forçado para um simples 0 (zero).

Existem outras formas de se explorar falhas como essa, seja através da URL ou de formulários, mas para mitigá-las é necessário realizar uma varredura em todo o código em que a aquisição de dados através de parâmetros se faz presente, e realizando as devidas correções.

Publicado no dia