posts da categoria Java

Construindo uma página com login no JSF

Vamos criar passo-a-passo um login utilizando o framework de Java - JSF. Conheceremos, também, as sessões do JSF e como interceptá-las.

por Julio Cezar Dourado

JPA de A à Z – Por que conhecer?

Não dá pra negar que o Java é uma linguagem bastante verbosa e quando falávamos em juntar o Java com um banco de dados ai sim dava pra ver o tamanho do problema. Se não tivéssemos cuidado era muito fácil perder o controle da complexidade de nossas entidades e consultas. Antes de entendermos sobre a JPA, é necessário entender que costumávamos utilizar em nossos projetos o JDBC (Java Database Connectivity) que é uma API presente no Java desde a versão 1.

por Mateus Malaquias

JPA Hibernate – Como funciona a anotação @version?

Recentemente um colega de trabalho me perguntou qual era função da anotação @version presente nas entidades aqui do projeto. Achei interessante essa pergunta e resolvi fazer da resposta o meu primeiro post no blog. Para responder essa de pergunta temos que lembrar que todo banco de dados possui um controle de concorrência entre transações (se necessário solicitem nos comentários que faço um post explicando a fundo sobre isso). Para esse post só precisamos conhecer o método de controle Optimistic concurrency control (controle de concorrência otimista).

por Mateus Malaquias

Java SE 7 Programmer I (1Z0-803) – Parte I

E aí galera, essa série de posts é pra você que pretende obter a certificação Java SE 7 Programmer I (1Z0-803). Irei abranger todo o conteúdo exigido pela Oracle para obtenção dessa certificação. ATENÇÃO! Estou presumindo que você já tenha algum contato com Java e alguma experiência trabalhando com ele. Se você não conhece nada de Java (ou linguagens orientadas a objeto), tente procurar outros posts sobre o básico de Java para depois iniciar seu caminho de certificação.

por Dionatan Marques

Criando seu próprio servidor HTTP do zero (ou quase) – Parte Final

Na última parte deste tutorial, aprenda sobre threads e como transformar seu servidor para receber múltiplas conexões.

por thiguetta

Criando seu próprio servidor HTTP do zero (ou quase) – Parte III

Estamos entrando na terceira parte do tutorial, e quem está acompanhando até aqui já sabe então como funciona a comunicação entre cliente e servidor, envio de requisição pelo cliente e recebimento de resposta (na duvida só voltar e releia a Parte I e/ou Parte II), porém o que a gente quer é criar o servidor, receber as requisições e enviar a resposta ao cliente. O Servidor A idéia do servidor é bem simples e estende a do cliente, como assim?

por thiguetta

Criando seu próprio servidor HTTP do zero (ou quase) – Parte II

Se chegou até aqui é por que você terminou de ler a primeira parte do tutorial (Caso não, leia a Parte I ), mas não desista, a parte legal vai chegar, mas antes de começar, falta mais um item de teoria – sim eu sei que é chato, mas juro que é importante – os Sockets. Sockets e portas Falamos muito de requisições e respostas no último post mas ainda não falamos de conexão e troca de informações.

por thiguetta

Criando seu próprio servidor HTTP do zero (ou quase) – Parte I

Sou apaixonado por tecnologias livres e como sou extremamente curioso, gosto de saber como as coisas funcionam. Como também sou cinestésico, não me contento em apenas em entender, tenho que criar, recriar, escrever, rescrever, inventar, reinventar, enfim sentir realmente como se faz. Nesse vai e vem de aprendizado, minha última curiosidade foi entender como os servidores HTTP funcionam e criar um do zero (ou pelo menos quase). É claro que para fazer isso eu não fui tão lá embaixo a ponto de utilizar C, utilizei da linguagem de programação da qual me sinto mais confortável e que já oferece algumas facilidades que em C teria que sangrar pra fazer o mesmo porém não impossível, mas enfim, optei por desenvolver em Java, os passos vou contar pra vocês aqui, mas utilizando os mesmo conceitos nada impede que utilize qualquer outra linguagem de programação.

por thiguetta

JAVA – Estruturas de Repetição

As estruturas de repetição também são conhecidas como laços (loops) e são utilizados para executar, repetidamente, uma instrução ou bloco de instrução enquanto determinada condição estiver sendo satisfeita. Qualquer que seja a estrutura de repetição, ela contém quatro elementos fundamentais: inicialização, condição, corpo e iteração. A inicialização compõe-se de todo código que determina a condição inicial da repetição. A condição é uma expressão booleana avaliada após cada leitura do corpo e determina se uma nova leitura deve ser feita ou se a estrutura de repetição deve ser encerrada.

por Fellipe Filgueiras

JAVA – Estruturas de Decisão

Entenda o que são as estruturas de decisão no Java.

por Fellipe Filgueiras

JAVA – Introdução a sua API

A API do Java é composta por dois tipos de recursos distintos: classes e interfaces. Ela é como um bloco dividido em duas grandes partes, são centenas de Interfaces e milhares de classes que acompanham o kit de desenvolvimento do Java e que podem ser empregadas para a realização de diversos tipos de tarefas durante a construção de um programa. Na API do Java, não existem métodos ou quaisquer tipos de dados desgarrados.

por Fellipe Filgueiras

JAVA – Principais características

A simplicidade é uma de suas mais importantes características. É isso que possibilita que a sua aprendizagem possa ocorrer sem necessidade de treinamento intensos ou larga experiência anterior. Programadores com conhecimento das linguagens C e C++ encontrarão muitas semelhanças destas com o Java e o assimilarão de forma ainda mais rápida. Além disso, o código escrito com o Java é muito mais limpo do que aquele escrito em C ou C++.

por Fellipe Filgueiras

JAVA – Como plataforma

Entenda como o Java pode ser executado em qualquer plataforma.

por Fellipe Filgueiras

JAVA – O caminho do aprendizado

Entenda o que é necessário para aprender e se tornar um desenvolvedor Java.

por Fellipe Filgueiras