O que eu aprendi depois de dar 100 palestras

Olá! Meu nome é Zeno Rocha. Ao longo dos últimos anos, aprendi muito sobre dar palestras e agora eu tô aqui para compartilhar essas lições.

por Zeno Rocha 01/11/2017 Comentários

Seis anos atrás eu estava na universidade. Eu era introvertido e estava lá para aprender sobre computação, assim como todo mundo ao meu redor. Mas a verdade era que eu não queria ser como todo mundo, eu queria ser uma referência na minha área, eu queria fazer a diferença.

Meu pai sempre me dizia: “se você quer aprender algo, ensine”. Então, um dia eu decidi submeter uma palestra para um evento. Por algum motivo, eles me aceitaram e foi assim que minha jornada começou.

Nesse momento, estou viajando de Los Angeles para Madri, me preparando para outra palestra. Esta vai ser a minha 109ª apresentação e eu tô muito animado. Ao longo dos últimos anos, aprendi muito sobre dar palestras e agora eu tô aqui para compartilhar essas lições.

Paixão > Conhecimento

Muitas pessoas querem começar a dar palestras, mas inventam todo tipo de desculpas para não fazer. O motivo mais comum é a falta de experiência, então já vou começar dizendo:

Você não precisa ser um expert para fazer uma palestra.

Ter 10 anos de experiência em algo é bom, mas não espere por isso para começar. Os melhores palestrantes que eu conheço não são aqueles que conhecem todas as nuâncias de um determinado assunto.

Aqui vai um segredo que ninguém vai te contar - o único requisito para dar uma palestra é ter paixão. É isso mesmo. Nenhum diploma, nenhum projeto famoso, nenhum mestrado, nada. Tudo o que você precisa é paixão.

Uma vez que entenda isso, você vai descobrir que sempre há algo que você sabe mas que outras pessoas ainda não. Não importa se você começou sua carreira ano passado ou mês passado. Vá lá e compartilhe o que você já sabe.

Você não está em uma sala de aula

A maioria de nós cresceu em um sistema de educação tradicional. Isso significa que nós íamos para um lugar, sentávamos em uma cadeira ao lado de um grupo de outras pessoas e passávamos algumas horas vendo alguém mais experiente do que nós falando. Esse ciclo provavelmente se repetiu por 10, 15 ou talvez 20 anos das nossas vidas todos os dias.

Ao fazer uma palestra, muitas pessoas imitam o comportamento que viram durante anos na escola e associam isso a qualquer tipo de apresentação em público. Elas pensam que precisam ensinar a audiência sobre um assunto. Elas acreditam genuinamente que, no final, as pessoas vão voltar para casa sabendo tudo sobre aquilo. Bom, elas não poderiam estar mais erradas.

Seu trabalho como palestrante não é ensinar, seu trabalho é inspirar ação.

E esta ação pode ser qualquer coisa, incluindo incentivar pessoas a se aprodundar mais em um determinado tópico.

Uma conferência não é uma sala de aula, uma conferência é um ambiente completamente diferente, então por que palestrantes ainda tratam o público como se fossem estudantes?

Da próxima vez que você estiver indo para um evento, faça essa experiência: dê ou assista uma palestra, no final peça a uma pessoa para explicar o que ela aprendeu com isso. Você vai se surpreender com as respostas.

Seres humanos são seres visuais

Existem palestrantes que não precisam de um único slide para dar uma palestra foda. Essas pessoas tem muitos anos de experiência nas costas e sabem exatamente o que fazer para manter o público focado na sua mensagem. O resto de nós mortais geralmente usamos slides para orientar nossos pensamentos.

O problema é que a criação de slides requer uma habilidade diferente, uma habilidade que nem todos possuem, requer design. Muitas pessoas negligenciam isso e não passam tempo suficiente pensando em como seus slides ajudarão a navegar sua estória.

Se você não se preocupa com seus slides, você não se preocupa com o seu público. E é assim que você começa a perdê-los.

Bons slides é o primeiro passo para manter as pessoas interessadas. É uma mensagem subliminar para o público que você leva o tempo deles a sério.

Aqui vão algumas dicas práticas que você pode usar na sua próxima palestra:

  • Tipografia: sempre grande.
  • Contraste: sempre alto.
  • Animações: sempre sutis.
  • Texto: o menos possível.
  • Software: não importa.

Mas lembre-se, você precisa obviamente de um conteúdo bom, slides bonitinhos não adiantarão nada se o storytelling não for atraente.

Tudo bem se sentir nervoso

Quando você sobe no palco, todo mundo está olhando para você e parece que não há margem para erros. O público está julgando cada palavra que você diz, cada movimento que você faz e até mesmo as roupas que você usa. Fora disso, quando você vê outros palestrantes no palco, parece que eles já têm tudo resolvido e estão cheios de confiança.

Eu conheço esse sentimento muito bem e estou aqui para dizer que é tudo bem se sentir nervoso. Na verdade, isso não é nada ruim, esse sentimento é quase como um combustível que mantém sua mente atenta e pronta para qualquer coisa.

O dia em que você parar de ficar nervoso, é o dia em que você não se importa mais.

Faça sua lição de casa - gaste tempo pensando sobre o storytelling e como você vai conduzir o público através dele. Estude o seu conteúdo o máximo possível e aprenda até o ponto onde as notas que você escrever forem inúteis. Treine com outras pessoas, mesmo que seja sua mãe ou seu pai.

Se você fizer isso, você vai se sentir mais confiante para ir lá e dizer o que precisa dizer. Ainda vai ser difícil, mas pelo menos você sabe que fez o seu melhor.

A melhor parte de uma palestra é quando termina

Dar uma palestra definitivamente não é uma tarefa fácil, mas a única coisa que eu posso te garantir é que você vai aprender muito com isso. Você vai ter uma compreensão sobre o assunto que jamais teve. Você vai conhecer pessoas que são apaixonadas pelas mesmas coisas que você. E acima de tudo, você vai aprender que uma palestra é capaz de transformar a vida de alguém e isso vale todo o nervosismo.

Obrigado por fazer parte desta jornada! E boa sorte na sua próxima palestra ;)