Acesse nosso Fórum

O novo formato de arquivo do Sketch 43

Algumas informações sobre o novo formato de arquivo do Sketch 43

por Diego Eis 16/04/2017 Comentários

Depois de toda a polêmica causada pelo último artigo, decidi fazer um acompanhamento dos fatos sempre que uma novidade aparecer, que nos aproxime ou nos distancie da extinção do trabalho do front-end como conhecemos hoje.

Esse não é um artigo técnico nem nada do tipo, só um apanhado de informações sobre o novo formato de arquivo do Sketch, nada de outro mundo. Mas estou preparando um novo artigo para abordar o que estamos chamando por aí afora de CaaS: Code as a Service. Comece a pesquisar sobre o assunto, é bastante interessante.

Mas como era esperado, saiu a versão 43 do Sketch. A principal mudança nessa versão é o novo formato de arquivo, baseado em JSON. Esse novo formato é um marco importante por causa das possibilidades de automatizações tanto pelo lado do código quanto pelo design.

Formato em JSON

No Sketch 42, os arquivos eram baseados em formato binário. Formato binário não são legíveis para seres humanos. O código é fechado. Isso mudou no Sketch 43, que introduziu um novo formato de arquivo baseado em JSON. Como você está cansado de saber, JSON é um formato muito simples de texto para estruturação de dados, fácil de ler e entender por seres humanos e para as máquinas é muito simples de interpretar e gerar. Como ser humano, você consegue escrever facilmente a estrutura de dados manualmente usando JSON por causa do seu formato baseado nos objetos literais do JavaScript e tem uma sintaxe muito enxuta formada por duas partes principais: chave e valor.

Os novos formatos de arquivos do Sketch são basicamente um arquivo ZIP que guardam todos os assets necessários para que o arquivo funcione.

Estrutura de arquivos do Sketch

Faça o teste aí com qualquer arquivo do Sketch 43: renomeie para .zip e descompacte o arquivo.

  • meta.json: Contém metadados sobre o próprio documento como lista de páginas e artboards, versão do Sketch que foi usado para salvar o arquivo, fonts utilizadas etc;
  • document.json: contém dados comuns para todas as páginas do docuento, como estilos compartilhados, link para os arquivos JSON na pasta de páginas;
  • pasta pages: contem um arquivo JSON por página do documento. Cada arquivo descreve o conteúdo da página;
  • pasta images: essa pasta contém todos as imagens usadas no documento, em seu tamanho original. Aqui os designers devem tomar cuidado, se eles usarem uma imagem gigante, essa imagem vai ficar guardada aí, aumentando o tamanho final do arquivo;
  • user.json: contém metadados do arquivo, como o canvas viewport e o zoom de cada página, metadados de UI para o próprio App (dimensões dos painéis etc);
  • pasta previews: contém uma imagem de preview da última página edtada pelo usuário. Se o tamanho da imagem é menor que 2048x2048, ela será guardada no tamanho original, se não ela será redimensionada para 2048x208;

Designers deverão aprender a codar?

O que isso significa para os designers? Nada. Eles não vão criar seus designs escrevendo JSON, o que seria muita estupidez. Mas o fato de que todo o design feito no Sketch é traduzido automaticamente para um formato aberto, com todos os detalhes daquele layout é incrível. Arquivos são abstrações, mas nem por isso os designers mudarão a forma com que interagem com o Sketch.

Alguns mitos que a galera tem falado por aí e várias pessoas já desmentiram:

  1. Designers não serão obrigados a aprenderem GIT, apenas se quiserem… Mesmo porque já há programas com o Abstract que já os ajudam nesse trabalho de versionamento;
  2. Designers não precisarão aprender a codificar HTML/CSS/JS para fazer seus layouts. Longe disso. Embora os layouts sejam baseados em JSON, ninguém vai ficar fazendo layout escrevendo JSON em vez de usar a interface do Sketch;
  3. Os plugins que são usados para exportar designs ficarão obsoletos, como o Zeplin, por exemplo. Pelo contrário: com uma API muito bem documentada, pode ser que várias outras ferramentas dessas surjam;

O formato aberto do Sketch só deixa a tarefa de automatizar os layouts feitos Sketch para HTML/CSS/JS mais perto. Uma das grandes qualidades do Sketch, é que ele valoriza os plugins. Eles sabem que existem pessoas inteligentes nesse mundão afora que podem melhorar ainda mais seu produto fazendo plugins que facilitam algumas tarefas do dia a dia dos designers. Muito por isso eles tem uma documentação bem legal para desenvolvedores que querem entender como é possível interagir com o programa. A API JavaScript para trabalhar com Sketch está no GitHub.

Translating a visual design to CSS/HTML is now a mundane task of the past. Andree @blended.io

Já existem algumas ferramentas surgindo por aí, como é o caso do Sketch Web Viewer.

API JavaScript para construir plugins do Sketch

Existem várias pessoas apostando que um monte de plugins e outras ferramentas de automatizações surjam do nada por causa desse novo formato do Sketch. Os caras estão realmente animados com todas essas possibilidades:

However, we expect in influx of tools that supercharge designers workflow and automate mundane, error-prone, human annoyable, tasks. It might take some time, but automation is revolutionizing the world and since the new Sketch file format is digestible by all, the potential for the integrations with all sorts of automation software is limitless.

Além disso, designers estão aprendendo algumas coisas com os desenvolvedores, por exemplo, lidar bem com componentes em seus Designs. Sem sombra de dúvidas, designes e desenvolvedores estão ficando a cada dia mais próximos. Designers que tentam não ficar presos na sua cadeira, mas que tentam se relacionar mais com desenvolvedores tem uma visão de mundo muito mais ampliada e esperta. A mesma coisa para desenvolvedores que tentam se aproximar cada vez mais dos designers, tentando entender suas necessidades e como cada layout deve ser implementado. Tenho a cada dia mais acreditado que o a pessoa que deve fazer o layout virar código são a mesma pessoa e não duas como estamos acostumados hoje.

Para ler mais: